11 de ago de 2017

Sobre momentos mágicos da luta




HEYA GALERA!

Depois mais ou menos uns três séculos, eu voltei, e queria dizer que agora pra ficar, mas não sei dizer.

Mas posso dizer que estou aqui.

Vim conversar sobre resistência e as tais das energias divinas, do universo, o karma, ou seja lá o que você acredita.

No último final de semana (04-06 de agosto de 2017) eu estive presente no 6º Encontro Estudantil do IFC, graças aos meus meninos com contatos e muita determinação, então estivemos lá (a gente teve um apoio particular incrível também, só pra registro).
Foi, provavelmente, uma das melhores experiências da minha vida em diversos sentidos. Eu me senti em casa, à vontade e compreendida, além de conseguir falar de uma maneira como se eu estivesse na minha própria casa.

Eu estava.

Era tanta gente que exalava energia boa, resistência, luta e uma consciência de mundo incrível que pra mim, é impossível que todas as estruturas do meu ser não fossem, no mínimo, totalmente modificadas.

A maioria da galera faz parte do movimento estudantil, movimento esse que se une para correr atrás das coisas que estão erradas no âmbito educacional e tentar - a gente tenta - melhorar o que der. Seja na escala micro, seja na escala macro. Seja por meio de Grêmios Estudantis ou de ocupações, de conversas, bom, com os recursos que tivermos.

Aí eu tive o IMENSO prazer de conhecer essas duas meninas da foto acima, minhas xarás de luta feminista, luta estudantil e irmãs de nome.

Quando em todos os meus dias eu imaginaria que isso pudesse acontecer?

Eu poderia ficar aqui horas, sério, horas, falando sobre como esse final de semana foi engrandecedor pra mim, foi inspirador, mas eu queria destacar um agradecimento:

Vocês ajudaram com o meu salvamento. Eu não acredito que ninguém possa salvar ao outro, e por isso, vocês me deram força, mesmo sem saber, pra que eu mesma iniciasse meu processo de salvação.

Fiquei dias sentindo como se eu fosse a pessoa mais avulsa, errada, defeituosa e egoísta do planeta. Eu sabia que tinha gente por mim, e isso fazia com que eu me sentisse culpada, além de tudo, por não conseguir ficar bem mesmo com tudo o que eu tinha comigo.

Vocês me mostraram luz. Cada um, com cada palavra, cada sorriso, cada relato de resistência.

Meninas, OBRIGADA, por compartilharem seu tempo comigo, é MARAVILHOSO conhecer xarás como vocês. Nunca tinha me acontecido.

E essa era a minha mensagem: luta e resistência, mas com muito amor, dedicação e união, porque senão ninguém consegue.

Toda a galerinha presente no evento: nos encontramos por aí nas lutas da vida.

Força.

E lembrem-se: tirar uma gota do oceano não muda quase nada, mas experimenta tirar metade?

Empoderem-se e empoderem mais dois (ou duas).

Câmbio, desligo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário